14/11/17 - 16:13

Pedido de prisão de Jorge Picciani deve ser analisado na quinta-feira

Presidente da Alerj teria recebido mais de R$ 58 milhões em propina da Fetranspor

O Ministério Público Federal (MPF) aguarda a decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) de acatar ou não o pedido de prisão preventiva dos deputados Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Paulo Melo e Edson Albertassi.

Jorge Picciani é o principal alvo da Operação Cadeia Velha, descadeada nesta terça-feira (14) pela Polícia Federal. De acordo com a força-tarefa da Lava Jato no Rio, o deputado teria recebido mais de R$ 58 milhões em propina da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado (Fetranspor), durante 2010 e 2015. O MPF pediu à Justiça o bloquei de mais de R$ 150 milhões da contas do presidente da Alerj.

O pedido de prisão de Jorge Picciani deve ser apreciado na próxima quinta-feira. Para o MPF, os crimes desses políticos no esquema de corrupção envolvendo empresas do transporte público no Rio são inafiançáveis. O procurador geral da república, Carlos Roberto Aguiar, destaca que o pedido de prisão é necessário porque a corrupção nos órgãos públicos continua. Ouça o áudio:

A Polícia Federal deflagrou hoje a operação “Cadeia Velha”, onde é apurado o uso da presidência e outros postos da Alerj para a prática de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A operação cumpriu mandados de prisão contra empresários do setor de ônibus, Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira. Felipe Picciani, filho de Jorge Picciani, também teve a prisão decretada.

 

0 comentários