14/11/17 - 10:18

Operação Cadeia Velha: Entenda mais um desdobramento da Lava Jato

Ação prendeu o filho de Jorge Picciani, Felipe Picciani

A Polícia Federal , juntamente com o Ministério Público Federal e a Receita Federal, desencadearam mais uma fase da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, na manhã desta quinta-feira (14).

A Operação “Cadeia Velha”, investiga os deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi (PMDB-RJ) e outras dez pessoas por corrupção e outros crimes envolvendo a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A ação apura o uso da presidência e outros postos da Alerj para a prática de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A petição do MPF resulta de investigações feitas há mais de seis meses, que incluíram quebras de sigilo bancário, telefônico e telemático, acordos de leniência e de colaboração premiada, além de provas obtidas a partir das Operações Calicute, Eficiência, Descontrole, Quinto do Ouro e Ponto Final.

Segundo o MPF, os crimes dos deputados são inafiançáveis, que seguem em flagrante delito, sobretudo de associação criminosa e lavagem de ativos, e não é preciso a Alerj avaliar suas prisões.

Buscas e apreensões:

Desde o início da manhã desta quinta-feira (14) os agentes cumprem mandados de prisão e condução coercitiva. Ao todo, são seis mandados de prisão preventiva e quatro temporárias, e 35 de busca e apreensão nos endereços de 14 pessoas físicas e sete pessoas jurídicas. Os agentes estão cumprindo mandado de busca e apreensão no gabinete dele na Alerj.


Família Picciani

Jorge e Felipe Picciani. Divulgação/Grupo Monte Verde

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani, foi intimado a depor na sede da Polícia Federal, na Praça Mauá, na manhã desta terça-feira (14). Agentes da PF aguardavam a chegada do deputado no saguão do Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio.

Segundo o MPF, a condução coercitiva do deputado foi ordenada como alternativa inicial à prisão dele, já que tem foro privilegiado.

O deputado é suspeito de receber propina da caixinha da Fetranspor, será levado para prestar depoimento na sede da Polícia Federal. A informação chegou ao MPF com a delação premiada do doleiro Álvaro José Novis.

Felipe Picciani, filho de Jorge Picciani, foi preso também na manhã desta terça-feira (14) pela Polícia Federal, em Uberlândia, em Minas Gerais.
Carlos Henrique Cotta D’Ângelo, delegado chefe da PF em Uberlândia, confirmou que ele foi preso no aeroporto da cidade, ao levar o pai, que embarcou para o Rio. Felipe Picciani será trazido ainda hoje para o Rio de Janeiro.

De acordo com a PF, outros quatro mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos na fazenda onde fica a empresa Agrobilara, que pertence à família Picciani.

A empresa é comandada por Felipe, em sociedade com o pai e os irmãos Leandro e Rafael Picciani.

Além de Jorge Picciani, são alvos da operação os deputados Edson Albertassi e Paulo Melo, o empresário Jacob Barata Filho, e Felipe Picciani, filho do presidente da Assembleia Legislativa.

 

Sobre o nome Cadeia Velha

 

Presídio erguido no século XVII no local onde fica a sede da Alerj, era chamado oficialmente de Cadeia da Relação ou Casa da Relação. No Brasil Colonial, recebia presos políticos e quem mais infringisse as leis da Coroa Portuguesa. O prédio foi usado ainda como o antigo Tribunal da Relação, alojamento para a criadagem da Casa Real e foi cenário da prisão de Tiradentes e outros inconfidentes. Após 1822, a Cadeia Velha abrigou a Assembleia Geral Constituinte brasileira e, em maio de 1826, abrigou o primeiro Congresso Legislativo do país.

0 comentários