01/03/18 - 17:35

Paralisação de juízes federais no dia 15 de março é aprovada

Teto da profissão é de  R$ 33.700

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) aprovou a paralisação da categoria no dia 15 de março. A interrupção do serviço será realizada como protesto à decisão da ministra Cármen Lúcia em julgar se os juízes têm direito ou não ao auxílio-moradia. Um balanço feito pela ONG Contas Abertas, mostrou que foram gastos cerca de R$ 5 bilhões com o auxílio-moradias dos magistrados. Os benefícios destinam-se a cerca de 30 mil pessoas (17 mil magistrados e 13 mil membros do Ministério Público, em todos os seus ramos).

O Juiz Federal Sérgio Moro é um dos beneficiários, recebendo R$ 4.378 por mês mesmo possuindo um imóvel na capital paranaense. Marcelo Bretas, juiz da Lava Jato no Rio, foi à justiça para tentar obter o benefício para ele e sua mulher, que também é juíza. Uma resolução do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) impede a remuneração a casais que morem sob o mesmo teto.

O auxílio é pago em todo o país, mesmo à juízes que moram na cidade em que trabalham a anos ou possuem imóveis no local. O benefício só não é pago caso o próprio juiz recuse o valor. Alguns magistrados alegam que o valor compensa a falta de reajuste da classe. Em nota, a associação afirmou que o salário dos magistrados já acumula perda de 40%.

“Essa perseguição à magistratura federal é similar à que ocorreu depois da Operação Mãos Limpas, na Itália dos anos de 1990, quando, para enfraquecer o combate à corrupção, várias medidas foram aprovadas como punição aos juízes”. O teto da profissão é de  R$ 33.700.

 

0 comentários