29/01/19 - 11:51

Palavra Amiga / Heloísa

Bom dia heleno e família tupi.

    Tenho 37 anos, sou casada e trabalho como advogada em um escritório. Venho de uma família em que nunca tive que enfrentar dificuldade. Sou filha única e fui muito mimada e recebi sempre tudo o que quis. Sei que não é essa a realidade de muitas famílias e por causa disso me tornei advogada para ajudar quem não teve a mesma sorte que tive. Sempre me engajo em casos em defesa do meio ambiente, em defesa de crianças e procuro encontrar clientes que muitas vezes não tem como pagar meus honorários, só para ajudar mesmo. Há três anos eu estava em um bar com os meus amigos do escritório quando ouvi um cantor horrível e muito desafinado que estava fazendo seu show ao vivo naquele bar.

   Meus colegas zombaram dele, mas eu comecei a prestar atenção na letra e fiquei muito emocionada. Tinha tanta verdade naquelas palavras, só a voz dele que não contribuíram para a canção. Depois do show eu fui até ele e me apresentei, ele ficou feliz em ter uma “fã’, mesmo eu só tendo elogiado a letra e não a voz dele. Passei a ir naquele bar todos os dias em que ele se apresentava. Ele percebeu que o meu interesse não era apenas na música e sim nele. E começou a dedicar as músicas para mim, fiquei muito sem graça e ficava vermelha sempre que ele fazia isso. Um dia, depois dos shows, ele pediu meu telefone. Eu entreguei e passamos a conversar por telefone quase todos os dias. E depois de um mês ele tomou coragem e me convidou para sair.

    Tivemos vários encontros, ele às vezes cantava para mim, mas eu nunca disse que achava ele desafinado. Depois de um ano nós nos casamos. Fiquei muito feliz, ele sempre foi um homem engraçado, bonito e principalmente decente. Mas depois do nosso casamento pude perceber uma certa insatisfação da parte dele por eu ter um salário muito maior que ele. Falei que ele poderia vender as composições que eram lindíssimas. Eram poesias, quase uma obra de arte e sei que ele conseguiria muito dinheiro e até ficaria famoso como compositor se fizesse isso. Mas ele disse que queria cantar as próprias músicas e transmitir a emoção através da própria voz.

    Ele também falou que só estava em uma época difícil e que em breve alguma gravadora daria oportunidade dele receber a fama que merece. Mas eu não aguentei e finalmente falei que ele era péssimo, que as composições eram lindas, mas ele tinha era uma voz de taquara rachada. Ele ficou extremamente ofendido, me disse que eu só queria desmerecê-lo e humilhá-lo porque recebo um salário melhor. Que na época em que namorávamos eu não era assim e que tinha mudado. Eu contei que desde a época do namoro eu já achava a voz dele péssima, só não tinha dito antes porque achava que isso o ofenderia, mas que agora, como esposa, precisava ser sempre sincera e ajudá-lo no que fosse possível.

    E que se ele gostava de cantar, tudo bem, mas ele tinha que entender que era ruim. Ele ficou tão indignado que agora está dormindo no sofá, mesmo comigo chamando para dormir no quarto comigo. Sei que minha sinceridade pode ter magoado ele, mas é melhor do que ele viver achando que é um excelente cantor sem saber que não é verdade. Não aguento mais meu marido sendo motivo de chacota durantes as apresentações. Mas agora que pus tudo para fora, não sei com concertar meu casamento e sem saber o que fazer eu preciso muito de uma “Palavra Amiga.”

0 comentários