29/01/19 - 16:40

Palavra Amiga / Neide

Boa tarde heleno e família tupi.

   Tenho 50 anos, sou casada, tenho um filho de 26 anos que trabalha e cursa uma faculdade e uma filha que adotamos, hoje ela é uma linda moça de 19 anos de idade que também está na faculdade. Meu marido tem 55 anos e trabalha como gerente em uma concessionária de automóveis. Eu trabalho como esteticista e muitas vezes atendo em domicílio alguns clientes. Eu tenho uma cliente que virou a minha melhor amiga, ela é a “Alice”, tem 49 anos e trabalha como cabeleireira, nós nos conhecemos há mais de vinte anos e ela vinha de um casamento fracassado, desgastado, o marido não escondia de ninguém que tinha uma amante e a “Alice” por várias vezes se separava e quando o ex marido brigava com a amante ela reatava o casamento, quando ele fazia as pazes, novamente o casamento da “Alice” entrava em crise e o marido saía de casa.

   Depois de muitas idas e vindas a “Alice” tomou coragem, deixou o sentimento de lado e decidiu tirar em definitivo o ex marido da vida dela. Naquela época eu dei a maior força para ela ser feliz, e eu sabia que essa felicidade só existiria se ela realmente desse uma chance de refazer a sua vida sem o ex marido. Na separação ele fez questão de tudo, eles não tinham filhos e a “Alice” vendeu o apartamento, investiu o dinheiro, começou a procurar um novo local para morar e nesse meio tempo, em julho do ano passado eu a convidei para vir morar comigo provisoriamente até que ela arrumasse um imóvel para comprar.

   A “Alice” amava a mãe, mas juntas elas não se davam bem, a mãe da “Alice” achava que ela tinha sempre que perdoar as traições do marido, ele era homem, tinha as suas necessidades e com esse pensamento elas brigavam bastante e a minha intenção era de somente ajudar. A “Alice” sempre foi uma pessoa muito bacana, eu ficava muito triste com tudo que acontecia na sua vida e achava que pelo fato dela nunca ter podido dar um filho ao marido, isso pesava bastante no casamento deles e, talvez essa impossibilidade tenha sido o motivo para tudo dar errado na união dela. Minha casa é bem grande, Alice ficou bem à vontade e muitas vezes ela ia comigo fazer alguns atendimentos.

   O que aconteceu foi algo que eu julgava normal na vida de outras pessoas, mas quando esse fato chegou até a minha família a coisa mudou e eu já não pensava da mesma forma, tanto que a nossa amizade ficou bem abalada. Eu comecei a notar um certo interesse do meu filho pela minha melhor amiga e ela correspondia, a diferença de idade entre eles são de 23 anos e a mãe que sonha em ter netos, sabe que nesse relacionamento será impossível, adotar é um ato de amor, mas para algumas pessoas não é a mesma coisa, embora eu tenha uma filha adotada que amo como legítima, eu queria um neto do meu filho que desse continuidade a nossa família.

   Talvez eu esteja sendo extremamente egoísta, mas hoje eu entendo melhor o sentimento de algumas mães. Quando eu percebi o que acontecia conversei longamente com o meu filho que se dizia muito apaixonado e a “Alice” falava de amor verdadeiro entre eles. Meu marido não quis se meter e achava normal. O problema é que eu não consigo aceitar e a minha amizade com a “Alice” já não é mais a mesma e eu sei que ela é uma boa pessoa, mas eu não gosto dela com o meu filho, toda essa proximidade está me incomodando e eu pensei em pedir que a “Alice” deixasse a minha casa o quanto antes, mas corro o risco do meu filho ir com ela. Eu comecei a desconfiar quando o meu filho terminou o namoro que tinha com uma moça da mesma idade dele e peguei várias vezes o meu filho e a “Alice” se olhando de forma diferente.

   Essa dúvida acabou quando vi os dois se beijando dentro de casa e por várias vezes eu escutava muita movimentação na minha casa na parte da madrugada e sei que eles já dormiram juntos aqui. Sei que estou colocando muitas coisas à perder com essa atitude, mas eu não consigo me controlar e aceitar que a minha melhor amiga esteja se envolvendo com o meu filho e sem saber o que fazer nesse momento difícil, eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga”.

0 comentários