24/02/19 - 14:04

Palavra Amiga / Sandra

Boa tarde heleno e família tupi.

   Tenho 33 anos, sou casada e sou contadora. Eu trabalho em uma empresa há dois anos, e desde então fiquei amiga muito rapidamente do “Juca”, ele é como se fosse um irmão para mim. Sempre almoçamos juntos e eu conheci a esposa dele e ele conheceu o meu marido. Nós combinávamos sempre de sair nós quatro e nas últimas férias eles passaram conosco em nossa casa de praia na região dos lagos. Ele sempre dizia que quando tivéssemos filhos, eles seriam criados juntos e seriam como melhores amiguinhos. Gostei desse pensamento. A verdade é que conversamos sobre tudo e infelizmente, eu não tenho muitos outros amigos na empresa, então sou um pouco dependente da amizade do “Juca”.

   Ainda assim, é sempre bom ter alguém com quem contar no ambiente de trabalho. Pelo menos era isso que eu pensava. Nós estávamos conversando sobre o trabalho e eu insisti que o relatório dele estava errado, nos alteramos e começamos a brigar um com o outro. E os meus nervos foram a flor da pele e comecei a gritar, todo mundo do escritório passou a olhar para nós dois. Ele ficou magoado e saiu andando e me deixando falar sozinha. Mas esse tipo de coisa acontece, as pessoas brigam e depois se reconciliam. Mas quando fui pedir desculpas à ele, percebi que ele estava falando mim para os outros amigos do escritório, que eu era escandalosa e barraqueira.

   Fiquei indignada e ele nem notou que eu estava logo atrás ouvindo tudo. Eu saí antes que ele me visse e fiquei muito magoada com o “Juca”, porque pensei que ele fosse meu irmão. Mas ele se mostrou um fofoqueiro e duas caras. Passado dois dias, ele ficava me encarando de longe e acabou me mandando uma mensagem perguntando se eu estava bem e se ainda estava chateada com ele. Inclusive ele foi até a minha mesa e pediu desculpa pela nossa briga, mas não era por isso que eu estava chateada. Não sou o tipo de pessoa que confia em qualquer um, é preciso muito tempo para conquistar minha confiança e amizade e é muito fácil quebrá-la também.

   Conversei com meu marido e ele disse que o “Juca” deveria estar com raiva e não disse aquelas coisas por mal. Mas acho que meu marido só defende ele porque os dois sempre jogam futebol e tomam cerveja juntos aos domingos. O pior é que o “Juca” perdeu a paciência e fica me mandando mensagem toda hora no trabalho, me chamando de falsa e me perguntando o que ele fez de tão errado? Aquela foi a gota d’água, esperei até depois do expediente para conversar com o Juca.

    Ele ficou com aquela cara de superior e deu até vontade de dar um soco nele, mas eu me acalmei e disse: porque você quer uma amiga falsa e escandalosa? É melhor nos afastarmos mesmo. Ele ficou branco feito papel e perguntou quem tinha me contado sobre aquilo. Mas eu gritei bem na cara dele “eu ouvi! Eu estava bem atrás de você seu imbecil!” Mas ele tentou me acalmar e pediu desculpas, eu até quis perdoá-lo, mas me senti traída.

    Mesmo que eu o perdoasse nós nunca mais voltaríamos a ser amigos da mesma forma, pelo menos não como irmãos. Decidi só ignorá-lo, mas agora acho que ele tem estado conversado pelos cantos com o  nosso supervisor e eles sempre olham para mim enquanto estão de papo. Então acho que o assunto sou eu. Não sei se estou ficando paranóica, mas acredito que o “Juca” esteja tentando fazer a minha caveira dentro da empresa. Uma dica de que isso é verdade foi quando eu recebi duas pilhas de trabalho extra em plena sexta-feira. Na mesma hora que chegou na minha mesa, vi que o “Juca” estava rindo da mesa dele e alí tive a certeza de que tinha dedo dele nessa situação, não estou sabendo como lidar com meu ex-amigo no ambiente de trabalho e  sem saber o que fazer eu preciso muito de uma “Palavra Amiga.”

0 comentários