21/06/18 - 08:00

Adolescente é morto durante operação em comunidade no Rio

Marcos Vinicius chegou a ser socorrido, passou por cirurgia, mas não resistiu

Foto: Reprodução/Redes Sociais

O corpo do adolescente Marcos Vinicius da Silva, de 14 anos, será velado nesta sexta-feira (22), no Palácio da Cidade. De acordo com a Secretaria de Educação, o sepultamento será no cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul da Cidade. O estudante é mais uma vítima de bala perdida no Rio. Durante uma operação da Polícia Civil, no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio, na última quinta-feira (21), o adolescente foi atingido na barriga e  levado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, também na Zona Norte. Ele passou por uma operação, não resistiu, e morreu no fim da tarde de ontem.

Até o momento, o corpo da vítima não foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML). A mãe de Marcos Vinícius, Bruna Silva, culpa o estado pela morte de seu filho. “Porque ele (Estado) alvejou uma criança indo para a escola. Onde bandido carrega mochila? Bandido não carrega mochila. Isso não pode mais acontecer. Chega de alvejar crianças.”, afirma. Bruna ressalta ainda quer  justiça para Marcos.

“Eu espero justiça. Calaram o meu filho, mas não calaram a mãe. Se tiver que processar o estado, eu vou processar, para não ficar impune. Chega de manchar o Rio de Janeiro. O Brasil está sujo. É uma polícia homicida. Eles entram para que? Para matar?  Para dilacerar famílias? Eu sou apenas mais uma.” Ao ser perguntada, Bruna descreveu seu filho como uma criança alegre. “O meu filho era alegre. Ele vivia o momento dele. Ele era criança. Uma criança como qualquer outra.” 

A Operação

A Polícia Civil informou que o objetivo da operação era cumprir 23 mandados de prisão e prender os suspeitos de terem participado da morte do chefe de operações da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), que morreu com um tiro na cabeça na semana passada, durante a operação policial, na favela de Acari, que é dominada pelo Terceiro Comando Puro, a mesma facção que comanda o Complexo da Maré. Além do adolescente, outros seis suspeitos foram mortos. O menino seguia para escola quando foi atingido por uma bala perdida.

De acordo com relato dos moradores nas redes sociais, durante a manhã, a comunidade ficou sob um intenso tiroteio. A Delegacia de Homicídios da Capital (DH) vai investigar de onde partiu o tiro.

0 comentários