20/06/16 - 17:52

Apresentado oficialmente como técnico da seleção, Tite se emociona e fala sobre desafios do cargo

O novo técnico da seleção, Tite, foi oficialmente apresentado na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) na tarde desta segunda-feira (20). Na coletiva com os repórteres, que fazem plantão todos os dias desde o início das negociações, o ex-treinador do Corinthians falou sobre a pressão de ser o comandante da Canarinho, seus problemas anteriores com o presidente Del Nero e o rodízio de capitães dentro do time. 
Confira os principais trechos da entrevista:
Como lidar com a pressão:
Ideal é início de trabalho. As circunstâncias acontecem. Fiquei sentado numa poltrona em 2014 e não veio. Porque as coisas têm seu tempo. Veio agora, entendi que devia aceitar, por fazer parte da minha carreira estar técnico da seleção brasileira. Um objetivo pessoal e talvez o meu melhor momento profissional. Ganhando, mas perdendo muito. Coragem assumir agora.
Relação com Del Nero:
O que foi solicitado, e fico muito tranquilo em conversar com CBF. Houve dois aspectos fundamentais: autonomia e a busca pela excelência, o melhor do futebol, isso eu sei fazer. Campo, análise de desempenho, eu me reformatar enquanto técnico porque Seleção é diferente de clubes. Temos que classificar.
Seguir trabalho iniciado por Dunga:
É precipitado, mas dá para trazer como ideia. Aproveita-se dentro do que se entenda ser o melhor, cada um com suas ideias, mas claro que se aproveita. Sou um técnico em formação, vai um tijolinho a cada dia, aprendemos com nossos erros. Não tenho problema algum em melhorar e aprender com acertos dos outros.
Rodízio de capitães:
Ideia de troca de capitania. Podemos divergir de ideias, é da vida, mas com respeito. Todos têm uma responsabilidade em cima da performance, todos vencem, essa é a grande marca de uma equipe de futebol. Essa mudança de capitania traz isso. Há diversos perfis de liderança: técnica, comportamental, o que consegue externar de forma pública as ideias, o exemplar. Vejo ontem a final da NBA. Um toco do LeBron James determina a sequência do Irving, a marcação de um com a qualidade do outro. Senso de equipe. Nós precisamos ter senso de equipe. Aí sim, seja ele num clube qualquer ou na Seleção.
Mãe e a confirmação:
Querida mãe, imagina a realização de ver o filho na seleção brasileira. Peço para as pessoas terem cuidado com ela, carinho, se falar com ela vai tirar coisas que emoção vai aflorar. Eu disse a ela hoje de manhã quando acabou a reunião do Gilmar (Veloz, empresário). Eu disse: ‘Mãe, teu filho é técnico da Seleção’. Ela começou a chorar e me deu bênção.
0 comentários