06/06/16 - 21:29

Em entrevista exclusiva, Presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira comenta atual situação do clube

O Presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, concedeu entrevista exclusiva à Super Rádio Tupi, comentando sobre o atual momento do clube. Depois de começar como a quarta força do Campeonato Carioca, o time chegou às finais e conseguiu o vice-campeonato. Hoje, no Brasileirão, a situação é preocupante: após seis rodadas, apenas quatro pontos conquistados e a última colocação na competição. 
"Com certeza eu gostaria de estar vivendo outro momento com o Botafogo, mas não podemos nos omitir e não abordar o mau momento. O Botafogo está oscilando e vivendo um momento ruim devido às lesões consecutivas, além de não podermos, ainda, utilizar nossas contratações recentes. Nós que, no Cariocão, tivemos nossa força baseada na parte defensiva, hoje estando sendo prejudicados pela falta desses jogadores machucados". 
Depois das duas últimas partidas, o time foi muito criticado pelas atuações. Na partida diante do Cruzeiro, no Mané Garrincha, o Cruzeiro dominou, totalmente, o primeiro tempo da partida. Já contra o Santos, o Peixe conseguiu abrir um placar de 3×0 e passou fácil pelo Glorioso. De acordo com o Mandatário, o elenco será cobrado pela atuação.
"O que não podemos aceitar é a falta de empenho, de motivação e de entrega, já que o Botafogo está com todas as suas obrigações. O que nos chateou bastante foi o primeiro tempo da equipe diante do Cruzeiro e o jogo de ontem, contra o Santos, quando nossos jogadores assistiram o adversário jogar tranquilamente. (…) E isso não pode ser normal. Vamos conversar com o elenco, por que o empenho é muito cobrado pela diretoria".
Apesar dos maus resultados, o trabalho de Ricardo Gomes para toda a diretoria é inquestionável e o treinador não corre nenhum risco de deixar o cargo. Segundo Pereira, Ricardo pode trabalhar tranquilamente.
"Total tranquilidade. O trabalho do Ricardo é de excelência e de grande qualidade. Nossa intenção de tê-lo, pelo menos, até o final da nossa gestão é inegável".
O Presidente tratou de explicar sobre a situação da Arena da Ilha. O clube esperava, no próximo dia 12, contra o Vitória-BA, poder ganhar o aval da CBF para utilizar a Arena Botafogo, na Ilha do Governador. No entanto, o clube não conseguirá exercer o mando. Dessa forma, enviará um ofício à CBF pedindo que o confronto seja no estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora, diferentemente do que a entidade publicou em seu site, no caso, Volta Redonda".
"Volta Redonda foi marcada pela CBF sem consultar o Botafogo. Não tínhamos o interesse de jogar em Juiz de Fora. Iríamos dar entrada em um ofício para utilizar a Arena Botafogo, com capacidade para 15.000 torcedores, já que possuiriamos todos os laudos de liberação do local. Estamos com quase 13.000 lugares prontos. Vale ressaltar que o clube não está construindo um estádio, mas sim, reformando um já existente. Fato é que, como não foi possível, tentaremos Juiz de Fora e não Volta Redonda, como foi sinalizado pela CBF"
 
Confira outros trechos da entrevista:
* Como é o processo de contratação dos jogadores: 
"Total confiança. É muito importante que a torcida entenda isso. As contratações vem de dois fluxos: O interno, quando o treinador pede um jogador ou o externo, quando um empresário nos traz um jogador para avaliação. Em ambos os casos, existe uma análise pela comissão técnica, pelos analistas e pela diretoria. Independente do processo, a palavra final é minha e a responsabilidade total pelo erro ou acerto também".
* Como o clube está se movimentando para evitar novas lesões e acelerar o processo de recuperação dos jogadores já machucados:
"Pedimos ao Departamento Médico, Preparação física e Fisiologia uma relação de equipamentos que podem ajudar a recuperação dos nossos atletas e diminuir os prazos de recuperação. Estamos trabalhando para ter esses equipamentos o mais breve possível, visando melhorar o trabalho e evitar longos períodos de desfalques".
0 comentários