09/01/16 - 13:19

Juan é apresentado oficialmente pelo Flamengo

O bom filho a casa torna. Na tarde deste sábado, Rodrigo Caetano apresentou de forma oficial, o zagueiro Juan, revelado pelo clube. Após 14 anos longe do clube, o defensor está de volta ao Rubro-Negro. O jogador foi apresentado com a camisa 12 para homenagear a torcida, mas vai usar a camisa quatro, que era usada por ele até deixar o clube em 2002.
"Por questão de respeito, iniciamos a apresentação dos reforços pelo Juan. Identificação grande, esforço de voltar ao clube, abdicar de outra proposta. Além de o Flamengo desejar o retorno, foi um peso fundamental ele querer voltar. É sinal do que gente quer em 2016: comprometimento, profissionalismo", disse Rodrigo Caetano, acrescentando o tempo de contrato e que espera que o zagueiro encerre a carreira no Fla:
"O contrato é de um ano. Vai depender dele dar sequência. Quando ele entender que chegar ao fim a carreira dele dentro de campo, no dia que acontecer, que esteja distante isso, que seja no Flamengo."
Juan disse ser estranho ser apresentado, já que o Rubro-Negro é sua casa.
"É estranho ser apresentado. Particularmente, nem precisava de apresentação. Eu me sinto em casa aqui. Metade da minha vida futebolística foi aqui. É estranho ser apresentado ou reapresentado pelo seu clube de coração."
O zagueiro afirmou que nesta volta encontrou um clube bem diferente. O atleta elogiou as mudanças e disse que o Flamengo está no caminho certo para ficar no topo das competições.
"Clube bem diferente. O futebol hoje pede isso. É um time que lutou para vencer, tem DNA de clube vencedor. Entenderam no clube que não basta só vencer, mas ficar o maior tempo possível no topo. O Fla está se estruturando para isso. Vamos dar resposta positiva dentro de campo para colocar o Flamengo no patamar de outros times."
Revelado pelo Rubro-Negro, Juan fez 246 jogos pelo clube, marcou 30 gols e conquistou títulos como o tricampeonato Carioca de 1999, 2000 e 2001 e a Copa Mercosul de 1999.
Confira a íntegra da coletiva:
Ser capitão
Só um detalhe para mim. Nunca deixei de exercer liderança, mas nunca fui capitão. Nunca deixei de exercer liderança técnica ou fora de campo. O Flamengo tem jogadores capazes de liderar, não sou obcecado por isso. Se o Muricy precisar, e os companheiros entenderem que é bom para o time, vou pegar. Se não for, vou continuar a fazer o que sempre fiz.
Por que não voltou antes?
Entendo o lado do torcedor. Por muito tempo fui torcedor. Naquela época não cheguei a um acordo, fiz de tudo, mas futebol tem dessas coisas. Nem sempre jogadores que são criados e torcem conseguem voltar para o clube de origem. Graças a Deus, continuei jogando em alto nível para voltar a vestir a camisa do Flamengo.
Poucos jogos em 2015
Ano passado tive duas contusões. Números que dentro do calendário são normais. Depois, quem acompanha o Inter sabe que o Aguirre fazia rodízio. Depois que chegou o Argel, machuquei o (músculo) adutor, fiquei 20 dias fora, perdi espaço. O número baixo de jogos do ano passado se deve a isso, mais pelo rodízio do que a parte física. "Claro que jogador acima de 35 anos merece atenção especial. Sempre tive atenção especial. Nunca fui jogador muito forte, mas nunca deixei de trabalhar com o grupo, sempre fiz o que todos fazem. Isso no futebol brasileiro é um pouco de lenda. Todos se machucam. Calendário é muito desgastante. Bato sempre na mesma tecla da idade, mas gosto de bater no contexto: o que fazemos é sobre-humano.
Zaga do Flamengo
As opções são boas. Temos experiência, temos o Wallace, que é jovem, mas experiente, uma liderança positiva do grupo. Os jogadores são mais jovens. Muita vontade de trabalhar, de jogar em alto nível. Sabemos sempre que a responsabilidade é muito grande. As pessoas gostam de mim, mas também sofri muito. Comecei a jogar muito cedo no profissional. Tem que evoluir, aprender. Temos um grande treinador, boas opções na zaga. Futebol não é só zaga que toma gol, só defesa que falha. Tem que procurar equilíbrio da equipe, continuar o que foi feito ano passado para conseguir chegar mais longe.
Rafael Dumas
Meio caladão, pode ser essa a comparação comigo. Tem muita qualidade, espero que consiga colocar tudo para fora, evoluir. Só assim vai poder atingir nível alto.
0 comentários