07/01/16 - 22:46

Leonardo Lemos explica planejamentos de marketing do Fluminense para 2016

Muitos tricolores ficaram revoltados com o fato de Ronaldinho, que rescindiu com o clube em setembro, participar da Flórida Cup, torneio nos Estados Unidos, que fará parte da pré-temporada do Fluminense. Os tricolores acreditam que isso prejudicará a preparação do time para os compromissos de 2016. Em entrevista exclusiva à Super Rádio Tupi, Leonardo Lemos, vice-presidente de marketing do Flu, explicou o motivo de R10 estar no grupo que jogará na América do Norte.
"É bem importante a gente fazer uma divisão das coisas. O Ronaldinho vai aos Estados Unidos integrar a delegação do Fluminense, especificamente, para os amistosos. Então, é uma associação da imagem do Ronaldinho, que é um ícone mundial do futebol, querido por todo mundo, admirado pelo mundo todo, com o Fluminense, que é uma marca que também é querida e respeitada no mundo todo, e cada vez a gente quer abrir mais isso. Mas é importante a gente ressaltar que o Ronaldinho não está fazendo pré-temporada com o clube. A delegação foi com 28 jogadores, se não me engano, e esses 28 estão treinando no regime de pré-temporada normal, como a maioria dos clubes têm treinado aqui no Brasil. E o Ronaldinho vai se juntar, apenas, para jogar os dois amistosos, e mesmo assim, a critério técnico da comissão. A comissão técnica tem liberdade para decidir o que irá fazer, se ele vai jogar 20 minutos, 45, os dois tempos, enfim, fica a critério do professor Eduardo Baptista, da comissão técnica e do departamento de futebol. Já que a gente teve uma boa relação com o Ronaldinho e mesmo tendo a rescisão de contrato para ele não jogar mais pelo Fluminense, ficou uma boa relação e a gente quer aproveitar o nome e a visibilidade que ele tem e associar isso positivamente com a gente. Então, é basicamente isso que a gente está fazendo. Então, mais uma vez, o critério técnico e esportivo não vai ser menosprezado em função do marketing. A gente está aproveitando uma situação de marketing que existe dentro do contexto técnico. Contexto da preparação física, da preparação técnica dos jogadores, para temporada 2016."
O dirigente afirmou que o fechamento do Maracanã e Engenhão será complicado para as pretensões do projeto sócio-torcedor, mas que é uma oportunidade de buscar sócios em outras partes do país. Em primeira mão, o vice de marketing revelou que o Fluminense irá lançar o sócio-futebol internacional, para os tricolores que vivem fora do Brasil.
"A gente tem um dificuldade muito grande que é o fechamento do Maracanã para as Olimpíadas. Obviamente isso vai ter um impacto grande para gente no número de sócio-torcedores, porque a maioria dos sócios querem frequentar o estádio, querem poder ter direito a isso. E o afastamento, quer dizer, obrigar a gente a ir a Volta Redonda, Macaé, ou Juiz de Fora, ou onde quer que seja, dificulta um pouco isso. Só que, por outro lado, também é uma oportunidade que a gente tem de tentar trazer novos sócios de outros estados, de outras praças, de outras áreas. Inclusive, eu queria aproveitar e dar uma notícia em primeira mão para o ouvinte da rádio TUPI. Agora na Flórida Cup, a gente vai lançar o pacote de sócio-futebol internacional. Sócio-futebol internacional é para o torcedor que não vive no Brasil, que vive radicado fora do país, e em mais de 150 países ele vai poder ter benefícios especiais como sócio do Fluminense, por um preço que é bem razoável. É 199 dólares por ano. Então, nós vamos fazer esse lançamento lá, vamos aproveitar o Fred também nesse ponto, da exposição dele, e eu acho que a principal exposição do Fred é isso, é o fato dele ser o maior ídolo do clube. A gente quer manter nossos ídolos dentro dos nossos clubes, não digo só no contexto do Fluminense, digo do futebol brasileiro. A gente depende muito, também, do torcedor. O torcedor se engajando e apoiando isso, é muito mais fácil de você conseguir pagar um salário pro jogador. A gente vê o que está acontecendo, por exemplo, com o Corinthians, que está se desfazendo de um bocado de jogadores. É difícil. É uma situação que a gente lamenta, até porque é uma perda técnica para o futebol. E isso é muito decorrente, também, pela falta da gente ter os programas de sócio-futebol mais fortes e de mais torcedores apoiando. O Fluminense tem uma torcida de oito milhões de torcedores e nós temos apenas 33 mil sócios. A gente tem que evoluir muito nisso. Como por exemplo, o Corinthians, que eu citei, tem um número muito maior que a gente, mas também tem uma torcida bem maior que a do Fluminense. Então, quer dizer, a gente tem que levar isso em conta e vamos trabalhar, sim. É importantíssimo o Fred, o Gustavo Scarpa, todos os jogadores do Fluminense serão importantes. Claro que quanto mais história ele tiver dentro do clube, mais fácil é da gente trabalhar ele, para aproximar os torcedores do clube e do programa sócio-futebol."
Sem poder atuar no Maracanã e Engenhão por conta das Olimpíadas, Leonardo Lemos revelou que a tendência é que o time das Laranjeiras leve seus jogos para Volta Redonda, mas que isso ainda não está totalmente confirmado. O dirigente tricolor também afirmou que o Fluminense pode levar suas partidas para Juiz de Fora, Cariacica e estádios que sediaram a Copa de 2014 e estão tendo pouco uso, o que seria bom para os cofres do clube.
"Não tem nada 100% definido. Hoje a tendência, realmente, é que a gente mande a maioria dos jogos em Volta Redonda, porque é uma praça que sempre foi interessante. Um estádio confortável, o departamento de futebol acha um estádio bom para se jogar, as instalações adequadas. Então, nós estamos conversando e a tendência, realmente, é por Volta Redonda, mas não está 100% fechado. A gente ainda está vendo alguns detalhes, algumas coisas, para poder definir isso. Mas a gente também tem algumas situações de poder levar jogos para Juiz de Fora, Cariacica, que foi uma praça que recebeu o Fluminense muito bem agora no final do ano passado. Volta e meia também temos consultas de outros lugares, de estádios que sediaram a Copa e que tem pouco uso, como Manaus, Cuiabá, Brasília. Enfim, a gente vai ter um ano de muito trabalho nesse sentido de tentar levar em conta o lado esportivo, para não termos uma perda técnica muito grande no momento de ter que ficar viajando muito. Mas também pensamos no lado financeiro, de aproximação do clube, também, com o torcedor. E, enfim, para gente poder fazer do problema, que é o fechamento do Maracanã e do Engenhão, de repente uma opção da gente ter uma oportunidade de crescer. Então, esse é o objetivo da gente."
Além do Fluminense, participam da Flórida Cup: Atlético Mineiro, Corinthians, Internacional, Santa Fé (Colômbia), Shakhtar Donetsk (Ucrânia), Bayer Leverkusen e Schalke 04, ambos da Alemanha. O torneio acontece de 10 a 20 de janeiro. O Tricolor das Laranjeiras estreia no dia 17, contra o Shakhtar Donetsk.
0 comentários