01/01/16 - 18:54

Revelando bons valores nos últimos anos, Fluminense espera encontrar novos talentos na Copa São Paulo de Futebol Júnior

Com a Copa São Paulo de Juniores se iniciando, começa neste sábado (02/01), a reportagem da Super Rádio Tupi conversou com o técnico da equipe sub-20 do Fluminense, Luiz Felipe Santos. O treinador falou o que espera dos Guerreirinhos no torneio.
"A gente espera que possamos fazer uma grande estreia. Acho que a preparação foi feita da melhor maneira possível. A gente se empenhou ao máximo para que esses atletas pudessem chegar nessa copinha com o melhor preparo possível. Então, fizemos uma preparação no mês de dezembro, final de novembro, todo mês de dezembro, inclusive a disputa da Copa Rio Grande do Sul foi voltada para essa preparação para Copa São Paulo de Juniores. A gente espera fazer uma grande estreia contra o Real Noroeste, sabemos que estreia sempre tem aquela ansiedade, mas a gente espera que os atletas possam desenvolver seu melhor futebol e a gente possa começar com o pé direito, conquistando uma grande vitória."
O Fluminense vem fabricando jogadores com frequência em Xerém e utlizando muito bem o trabalho feito na base, no elenco profissional. Luiz Felipe revelou o que a torcida tricolor pode esperar dos jogadores, que serão melhor observados por eles nesta Copa São Paulo.
"O centro de treinamento de Xerém é um grande centro. Nos proporciona, que nós profissionais, que a gente possa desenvolver o melhor desses atletas. E como eu falei, em Xerém a gente consegue desenvolver esses atletas. Este ano de 2015 foi muito especial, onde alguns atletas tiveram oportunidade de fazer essa integração de sub-20 para equipe profissional. A gente espera ter um ano de 2016 também muito bacana, e que esses jovens atletas que estão indo para Copa São Paulo possam se desenvolver e que futuramente, eu tenho certeza, que a torcida do Fluminense vai estar conhecendo muitos outros jovens que vem sendo trabalhados no centro de treinamentos. Então, Xerém para gente é uma grande orgulho, para o Fluminense. E a gente espera que possamos dar continuidade a esse processo de formação para esses atletas. O Fluminense é um clube que além de ser uma grande equipe e um grande campeão a nível nacional, é um grande revelador por ter o centro de Xerém. Então a gente fica muito orgulhoso por estar fazendo parte desse projeto, desse trabalho, e preparando esses atletas para que eles possam chegar muito melhores formados na categoria de cima."
Existem jogadores que têm se destacado com frequência e brilharam na base do Fluminense no último ano. Foram os casos do goleiro Jennerson, do volante Bonilha, do lateral-direito Breno Caetano e dos atacantes Pedro e Marquinho Calazans, que fez um excelente Campeonato Brasileiro Sub-20. O treinador falou o que esperar desses jogadores na Copa São Paulo e se a torcida tricolor pode esperar vê-los atuando pelos profissionais ao longo de 2016.
"Esses atletas citados realmente são grandes promessas do Fluminense. Fizeram um Campeonato Brasileiro Sub-20 muito bacana. O Pedro, inclusive, foi artilheiro em todas as competições que ele disputou, inclusive no exterior, quando nós tivemos uma passada na Holanda e na Alemanha. O Pedro se destacou, foi o artilheiro nas duas competições. E o Marquinhos, o Breno, todos esses atletas estão em grande forma, estão em um momento muito bacana. Tenho certeza que eles irão fazer uma grande Copa São Paulo de Juniores e o ano de 2016, não tenha dúvida, que é o ano que eles terão uma projeção muito bacana. É evidente que precisamos ter muita paciência com esses jovens, porque são adolescentes, que estão em processo de formação. Mas eu tenho certeza, pelo que eles estão desenvolvendo, pela capacidade não só técnica, mas tática e também o perfil físico desses atletas, e eles estão em um momento muito bacana, que irão fazer uma grande Copa São Paulo e 2016 é um ano que, provavelmente, muitos desses atletas poderão ter oportunidade na equipe de cima. Mas isso aí fica mais a critério do treinador do profissional. A gente tem essa integração, essa ligação, ficamos sempre em comunicação, e no momento certo tenho certeza que eles terão a oportunidade deles."
Muito se fala dos jovens que estão despontando, mas os holofotes também ficam muito voltados para o técnico. O técnico fez uma analise do trabalho, que não é fácil, já que tem que lidar com jovens de personalidades e realidades totalmente diferentes.
"Na realidade, é um trabalho que é realizado não só por mim, mas por todos os integrantes da comissão técnica. A gente tem essa integração muito bacana. A direção nos dá todo o suporte para que nós possamos desenvolver o melhor trabalho possível para que esses atletas se formem melhor. E a gente agradece muito a todo esse empenho da direção para nos dar esse suporte e a toda comissão técnica, que não só eu sendo treinador, mas meu auxiliar, meu preparador físico, meus assistentes, meu treinador de goleiros, enfim, toda parte psicológica, médica, envolvidas à área social. Acho que é um trabalho desenvolvido não só por mim, mas por todos aqueles que estão envolvidos nesse processo. Mas a gente fica muito feliz por estarmos em um momento muito bacana, muito bom, muito positivo. Não tenha dúvida que é com muito trabalho, muito esforço e empenho de todos, e a gente espera que 2016 possa ser tão bom como foi esse ano de 2015 para todos nós do Fluminense. E a gente espera não estar formando esses atletas só para o nosso clube, mas futuramente, quem sabe, até para seleção brasileira. Eu tenho plena convicção que esses atletas têm um potencial muito bacana e, quem sabe, no futuro, eles possam estar defendendo não só a equipe profissional do Fluminense, mas estar tendo oportunidade na Seleção Brasileira. Então a gente fica muito feliz por estar fazendo parte desse processo na formação desses atletas."
Luiz Felipe Santos explicou como é "perder" um jogador para os profissionais. Como funciona essa saída do sub-20, se fica um laço efetivo, se o contato com o jogador continua.
"Eu não diria que a gente perde, eu acho até que a gente ganha. Quando a gente vê um atleta que a gente pode contribuir para que ele pudesse chegar na equipe profissional, a gente fica muito feliz. Evidente que eu acompanho os jogos da equipe profissional. Tenho ligação sim com esses atletas. No nosso trabalho conseguimos fazer um laço familiar, já que estamos diariamente com esses atletas, muitas viagens, passamos muito tempo juntos. Às vezes, em um ano, passamos até mais tempo com nossos atletas do que com nossas famílias, pelas viagens que tem, pelas competições, e a gente fica com esse lado afetivo sim. Existe um respeito muito grande de mim para esses atletas, e desses atletas comigo. Então a gente fica muito feliz quando vemos que esses atletas estão conseguindo conquistar o espaço deles e conquistando os objetivos da vida deles. Então, a gente fica muito feliz com tudo isso."
O técnico revelou qual a importância da família dos atletas em seu trabalho.
"Eu acho que o papel da família é fundamental. Esse atleta precisa de um suporte familiar que possa dar para ele toda a base possível para que ele possa chegar com uma cabeça bem formada e tranquila. Pelas coisas, pelo mundo que ele vai encontrar quando ele chega nessa amplitude, quando ele chega nesse momento de subida para o profissional, que vê aquele mundo, aquela realização do primeiro sonho. Não tenha dúvida que a família é fundamental nesse processo, para que esses atletas possam conseguir suportar a pressão, a cobrança, e possa passar para ele toda tranquilidade para que ele possa desenvolver o seu melhor. Então, a gente tem um lado social que integra bastante com Xerém. Temos um trabalho da assistência social, da parte da psicologia, que faz essa integração dos pais com os profissionais lá dentro do clube. E esse contato é muito próximo, porque a gente precisa ter esse retorno da família, para que possamos conhecer de onde esse garoto vem e qual a base que ele teve, para que a gente possa ajuda-lo no que ele precisar, no que for necessário para que eles possa evoluir. Então, com certeza, a família é muito importante fazendo esse papel, com essa integração com a gente."
O Fluminense pode ter seis atletas formados em Xerém convocados para as Olimpíadas Rio 2016. São eles: Fabinho, Wallace, Marlon, Gustavo Scarpa e Kennedy. Luiz Felipe Santos usou os jogadores como exemplo, para mostrar que o Tricolor está no caminho certo na formação de atletas.
"Eu acho que a convocação desses atletas, que participaram ativamente da Seleção pré-olímpica, mostra que o trabalho que vem sendo feito não só em Xerém, mas em grandes clubes no Brasil, inclusive Xerém, faz com que a gente possa estar muito bem representado. E eu fico muito feliz. Em cima de muitas coisas que a gente ouve, que a gente vivenciou há algum tempinho, mais precisamente no ano passado, na Copa do Mundo, a gente ouve muitas críticas, muitas coisas que envolveram não só a Seleção Brasileira profissional, mas as categorias de base, a formação desses atletas. Quando a gente vê esses atletas se destacando em uma seleção, a gente fica feliz. A gente sabe que muitas coisas podem ser feitas, que esses atletas podem evoluir ainda mais. É cedo para termos qualquer perspectiva, mas a realidade é que a gente vê que esses atletas estão fazendo com que a gente resgate aquele amor que nós temos pela nossa seleção. E eu tenho certeza que esses atletas, se tiverem a oportunidade de participar das Olimpíadas, vão desempenhar e dar o seu melhor para nossa seleção. E a gente espera que, dentro do Fluminense, possamos ter mais atletas que venham a vestir a camisa da seleção brasileira. Isso nos deixa realizados. Isso mostra que estamos trabalhando no caminho certo, não tenha dúvida."
O Fluminense estreia no torneio no dia 02/01, às 19h, contra o Real Noroeste, na Arena Capivari, em Capivari. Lembrando que o Tricolor está no grupo 13 da competição, ao lado de Água Santa e Capivariano.
0 comentários