08/11/18 - 08:14

Deputados da Alerj são alvos de operação da Lava Jato

Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal participam da ação

Policiais federais cumprem 22 mandados de prisão contra deputados envolvidos em esquema de compra de apoio político na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). A ação, batizada de Furnas da Onça, é um desdobramento da Operação Cadeia Velha, deflagrada em novembro de 2017.

A operação investiga crimes como organização criminosa, corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro. O Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal também participam da ação.

Segundo nota oficial da corporação, 200 agentes, 35 membros do MPF e 10 auditores da Receita participam das diligências. A ação visa cumprir 19 mandados de prisão temporária, 3 de prisão preventiva e 47 mandados de busca e apreensão. As determinações foram expedidas pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2).

Agentes chegaram à Casa por volta das 6h desta quinta-feira (08). Foto: Reprodução/Redes Sociais

Ainda segundo a Polícia Federal, a organização criminosa, chefiada por Sérgio Cabral, pagava propina a vários deputados estaduais. De acordo com as investigações, o “mensalinho” era resultado de superfaturamento em contratos estaduais e federais. Os parlamentares eram beneficiados de forma ilícita com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do Estado. Nos locais, os deputados poderiam alocar mão de obra comissionada ou terceirizada.

O nome Furna da Onça faz referência a uma sala ao lado do plenário da Alerj, onde deputados se reúnem para ter conversas reservadas. O local era destinado às combinações secretas que resultam em decisões individuais antes das votações. O momento é conhecido como a hora da “onça beber água”.  Alguns dos alvos são:

  • Affonso Monnerat, secretário estadual de Governo;
  • André Correa (DEM), deputado estadual e ex-secretário estadual de Meio Ambiente, preso na Barra;
  • Chiquinho da Mangueira (PSC), deputado estadual reeleito e presidente da escola de samba, preso na Barra;
  • Coronel Jairo (MDB), deputado estadual não reeleito;
  • Edson Albertassi (MDB), deputado afastado – já preso em Bangu;
  • Jorge Picciani (MDB), deputado afastado – já em prisão domiciliar;
  • Leonardo Jacob, presidente do Detran;
  • Luiz Martins (PDT), deputado estadual reeleito;
  • Marcelo Simão (PP), deputado estadual não reeleito;
  • Marcos Abrahão (Avante), deputado estadual reeleito;
  • Marcus Vinícius Neskau (PTB), deputado estadual reeleito;
  • Paulo Melo (MDB), deputado afastado – já preso em Bangu;
  • Vinícius Farah (MDB), ex-presidente do Detran, eleito deputado federal;
0 comentários