02/12/18 - 10:40

Palavra Amiga / Carol

Bom dia heleno e família tupi.

  Tenho 27 anos, sou casada, tenho uma filha de 01 ano e meio de idade e trabalho como recepcionista em um salão de beleza. Meu marido tem 28 anos e trabalha como técnico de informática. Eu acho que hoje estou pagando por um erro que cometi. Meus pais bem que me avisaram e eu como tantos outros filhos não dei ouvidos. Embarquei num relacionamento que hoje tem me trazido muita tristeza e várias decepções. Quando eu conheci o “Edson” eu sabia que ele era o homem da minha vida, por ele me apaixonei e fui capaz de enfrentar a minha família para ficar com ele. Meus pais não aceitavam o nosso namoro porquê eles sabiam que no passado o “Edson” tinha se envolvido com gente que não prestava, ele chegou até ser preso, mas ficou pouco tempo e se regenerou.

  Os meus pais diziam que ele já estava marcado, não tinha jeito e a qualquer momento ele poderia voltar a fazer coisa errada. A minha sogra era outro problema, ela deixava bem claro que não gostava de estarmos namorando e quando eu fiquei grávida ela disse para todos que eu queria prender o “Edson” e fiz o que ela julgava o golpe mais velho do mundo, que é ficar grávida. Eu trabalhava, o “Edson” também e decidimos nos juntar e viramos marido e mulher. Mesmo quando a minha filha nasceu para alguns parentes não foi motivo de alegria, mas eu não me importava, afinal de contas, eu estava vivendo com o homem que eu amava.

   A minha sogra ia praticamente todos os dias lá em casa e colocava defeitos em tudo que eu fazia, o “Edson” ao invés de me defender ele apenas ficava quieto. Por vezes eu notava que o “Edson” demonstrava que parecia estar arrependido por vivermos juntos. Quando íamos até a casa dos pais dele por inúmeras vezes a mãe do “Edson” nem olhava para minha cara, o pai dele trocava um simples oi. Eu fui tentando me acostumar e achava que estava pagando um preço muito alto para viver com o homem que eu amava. Não satisfeita, a minha sogra começou a convidar algumas ex namoradas do “Edson” para ir na casa dela justamente quando eu estaria por lá e o ambiente ficava horrível.

   Eu comecei a me distanciar e evitar de estar na casa da minha sogra, mesmo sabendo que o “Edson” estava lá com a nossa filha e alguma ex dele. A nossa convivência diária começou a ser prejudicada, tanto pelas grosserias dos meus pais, quanto pelos abusos da minha sogra. O ponto alto de tudo isso foi quando o “Edson” fez aniversário, a minha sogra foi lá em casa toda gentil e me convidou para ajudá-la na festa que ela ia fazer para o “Edson”, ela dizia que ele era o seu único filho e não tinha sentido nenhum a gente não se dar bem. Eu não sei porquê acreditei nas baboseiras que ela falou, mas talvez eu vi ali a oportunidade do meu casamento melhorar.

   Ajudei nos enfeites e no dia eu fui mais cedo para ajudar a minha sogra nos preparativos, arrumamos as mesas, enchemos as bolas, fizemos tudo com amor e a festa que tinha tudo para ser maravilhosa se tornou algo terrível. Assim que cantamos os parabéns o “Edson” cortou o bolo e deu o primeiro pedaço para a mãe dele, eu até achei normal, ela colocou ele no mundo e merecia. O que veio a seguir é que acabou com a minha alegria, a minha sogra instalou um painel enorme, ali começou a mostrar diversas fases da vida do “Edson” e apareceu uma sequência que não terminava nunca diversas fotos do “Edson” abraçado e beijando todas as ex”s namoradas que ele teve antes de mim.

   Eu fiquei em choque e todos pareciam achar aquilo normal e engraçado. Diante de tanta humilhação, só me restou pegar a minha filha e voltar para casa. Quando os meus pais souberam do que aconteceu me ofereceram ajuda e disseram que o meu antigo quarto na casa deles está à minha disposição. Quanto ao “Edson” apesar de todo o amor eu estou me cansando de esperar que ele tome uma atitude em relação ao que a mãe dele sempre faz comigo e sem saber o que fazer, eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga.”

0 comentários