05/09/18 - 16:25

Palavra Amiga / Cléber

Boa tarde heleno e família tupi.

Tenho 25 anos, tenho namorada, não tenho filhos e trabalho numa empresa como técnico de informática. Minha namorada tem 51 anos, é divorciada, tem duas filhas e trabalha como diretora de uma escola. Quando eu conheci a minha namorada a “Marluce” eu tinha ido até a escola que ela trabalha para ver o que estava acontecendo com uns dos computadores de lá. Depois de detectar os problemas que ocorriam, conversei com a “Marluce” e disse para ela que o melhor seria atualizar e mudar alguns programas e isso levaria pelo menos uma semana.

Ela concordou e todos os dias quando eu saía do meu trabalho eu ia para a escola e lá ficava trabalhando até tarde acompanhado da “Marluce”. Eu não tinha namorada, ela não tinha marido e depois de muito conversarmos começou acontecer um interesse da minha parte em namorar a “Marluce”. Ela não demonstrava que estava a fim, mas eu percebia que muitas vezes ela correspondia aos meus olhares. A troca do sistema operacional da escola, nos computadores, funcionou muito bem, mas eu fiquei enrolando e todos os dias eu ia até a escola com a desculpa de verificar o sistema só para ficar perto da “Marluce”.

 Ela sabia que o meu sentimento por ela crescia dia a dia e quando eu criei coragem convidei a “Marluce” para ir jantar comigo. Depois de vários encontros tivemos a nossa primeira noite juntos e digo à você que foi maravilhoso. Logo depois eu conheci as filhas da “Marluce”, a mais velha é casada e a filha mais nova mora uma semana com ela e na outra com o pai, mas todos se dão bem. O ex marido da “Marluce” ainda veio conversar comigo num almoço de família e me disse para ter cuidado que a “Marluce” é uma mulher muito teimosa e gosta que tudo seja feito do seu modo, quer dizer; ele ainda ficava me dando toques de como manter o meu relacionamento com a ex mulher dele.

 Eu fui muito bem recebido por toda a família da “Marluce” e tinha certeza que o nosso namoro tinha tudo para dar certo. Eu quis retribuir e convidei a “Marluce” para ir até a casa dos meus pais, eu tinha dito a eles que estava namorando uma mulher um pouco mais velha do que eu e os meus pais pareciam não se importar com esse fato. Quando nós chegamos de cara eu notei o semblante da minha mãe, ela ficou com cara de assustada e quando o meu pai me chamou para falar comigo a minha mãe disse coisas bem ofensivas para a “Marluce” e quando eu voltei para a sala a “Marluce” tinha ido embora.

Minha mãe disse que quando eu falei que estava namorando uma pessoa mais velha ela pensou em dois, três ou até no máximo uns cinco anos e não uma diferença de 21 anos entre nós. Nós discutimos, meu pai ficou do lado da minha mãe, mas tentava apaziguar dizendo que se tratava de uma mulher bacana, trabalhadora e responsável. Minha mãe começou a pensar que o meu pai estava interessado na minha namorada e a discussão não parava, só piorava a cada minuto. Eu fui para a casa da “Marluce” pedir desculpas por tudo que tinha acontecido e ela achava melhor nós nos afastarmos que a minha mãe jamais aceitaria o nosso relacionamento e ela não queria ficar se indispondo com a minha família.

Eu tentava convencer a todo custo que a “Marluce” não desistisse de ficar comigo, como ela tinha alguns dias de folga e eu estava entrando de férias decidimos fazer uma pequena viagem. Ficamos sozinhos por alguns dias e ali eu sabia que a “Marluce” é o amor da minha vida, não me importa a nossa diferença de idade eu quero ficar com ela. Comprei um anel e pedi a “Marluce” em casamento, ela me falou que aceita o anel, mas que precisava da aprovação dos meus pais, pois não achava certo namorar e assumir um compromisso com o filho de uma pessoa que é totalmente contra o nosso romance.

Conversando novamente com a minha mãe, ela está irredutível, não aceita de jeito nenhum que eu me case com a “Marluce” e disse que eu preciso fazer uma escolha muito séria na minha vida. Que eu tenho que decidir entre a minha família ou a “Marluce”. Amigo, eu amo os meus pais e amo também a “Marluce”, são amores diferentes e não sei o que o que fazer nesse momento difícil, eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga”.

0 comentários