31/08/18 - 16:25

Palavra Amiga / Douglas

Boa tarde heleno e família tupi.

   Tenho 26 anos, sou solteiro, sou cabo da marinha e tenho quatro irmãs, sendo que sou o único filho homem. Minha madrasta sempre ouve seu programa e com o tempo vi que era muito legal e não perco nenhum dia de programa. Sou da marinha e segui os passos do meu pai que também fazia parte das forças armadas. Foi um caminho difícil e a princípio só fiz descascar batatas, mas quando fui levantado a cabo vi que meu pai sentiu muito orgulho de mim. Ele e minha mãe se divorciaram quando eu era criança, minha mãe se casou de novo e hoje eu tenho quatro irmãs por parte de mãe.

   Meu pai também se casou de novo, com uma madrasta ótima que sempre foi muito doce comigo, apesar que no início, quando eu era criança, minha mãe inventou algumas mentiras sobre a minha madrasta. Heleno, ela dizia coisas como que minha madrasta ia envenenar minha comida e que não era para eu comer nada quando eu ia dormir na casa do meu pai.// teve até um dia em que até hoje eu acho engraçado. Fui visitar meu pai e antes do almoço minha madrasta veio me dar uma maçã e depois ela voltou para cozinha. Eu lembrei logo da branca de neve e achei que também fosse ser envenenado e joguei a maçã pela janela. Só depois de anos eu fui entender que minha mãe não gostava da minha madrasta e achava melhor que eu não passasse tanto tempo na casa do meu pai.

   Mas quando ele adoeceu, eu fiquei um ano e meio morando com ele e minha madrasta, para ajudar no que fosse preciso. Mas com o tempo ele não resistiu e acabou morrendo. Antes de falecer, ele disse que agora eu era o homem da casa e que não deveria desemparar minha madrasta e não reivindicar nada da herança até que ela também morresse. Eu prometi que cuidaria dela e que não tocaria em um centavo do que ele deixou. Heleno, agora é que começa o problema, minha madrasta tem tido alguns problemas na coluna e como ela não teve filhos e nem tem outra família, achei melhor continuar morando na casa que era do meu pai e que agora é dela. E nos fins de semana eu visito minha mãe e as minhas irmãs.

   Minha mãe odeia que eu more com a minha madrasta, ela diz que a minha madrasta se aproveita de mim e que eu deveria ir morar com ela e que minhas irmãs sentem a minha falta. Eu poderia ter meu próprio espaço, ir morar numa casa só minha, mas não quero descumprir a promessa que fiz ao meu pai e deixar a mulher que cuidou de mim com tanto amor desamparada. Minha mãe me deu um ultimato, ou eu volto para casa ou é melhor nunca mais dar as caras por lá e que vai me impedir de ver minhas irmãs, que ainda são crianças e adolescentes. Minha mãe ainda exige que eu pegue o que me é de direito, que foi o dinheiro e uma propriedade que ele me deixou, pois a situação está apertada e que minhas irmãs precisam do dinheiro, pois as contas da casa dela estão vencendo. Não vejo um jeito de ajudar a minha madrasta e agradar a minha mãe ao mesmo tempo e sem saber o que fazer nesse momento difícil, eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga”.

0 comentários