02/08/18 - 10:25

Palavra Amiga / Gilson

Bom dia heleno e família tupi.

   Eu tenho 51 anos, sou casado, tenho um casal de filhos e trabalho como porteiro em um prédio comercial. Minha esposa tem 49 anos e é dona de casa. Eu criei os meus filhos juntos com a minha esposa que ao longo dos anos foi se tornando uma pessoa muito doente, ela tem um problema sério no coração e isso a impossibilitou de trabalhar, mesmo assim como uma grande guerreira ela fazia de tudo para me ajudar a pagarmos as nossas despesas. Muitas vezes ela ia para a cozinha, fazia bolos e alguns docinhos para eu vender aqui no trabalho. A gente lutava com muitas dificuldades, nem sempre eu conseguia de forma gratuita os remédios que ela tanto precisava e eu me endividava todo para que a minha esposa não ficasse sem a medicação.

   Meu filho mais velho engravidou a namorada e eles se casaram. Minha filha de 22 anos é que nos ajudava, ela trabalhava de balconista e quase todo o salário que ganhava ela colocava dentro de casa. Não era isso que eu queria para a minha filha, eu sonhava com ela cursando uma faculdade e se formando, não se matando de trabalhar para sustentar a nossa casa. Eu comecei a dar a maior força para a minha filha voltar aos estudos, eu peguei um serviço extra aqui mesmo no prédio que eu trabalho e a minha filha para a minha alegria retomou os estudos. Naquela época a minha esposa fez mais uma cirurgia no coração e graças a deus foi bem sucedida e a minha irmã ficou conosco para ajudá-la na recuperação.

    Meu filho sempre estava presente com a família dele para nos ajudar também e apesar de eu estar bem cansado pegando muitos serviços extras eu via a recompensa de tudo isso na recuperação da minha esposa, no fato da minha filha estar de volta aos estudos e o meu filho ser um jovem trabalhador e sustentar a sua família dele sem esquecer os pais. A minha irmã é mais velha que eu, ela é viúva, nunca teve filhos e morava sozinha. Ela sabia das necessidades da minha esposa, sempre foram grandes amigas e eu nem precisei chamá-la um dia cheguei em casa e ela me disse: vim para ajudar!!!

   Sabe amigão atitudes como essa enriquecem esses laços e por isso eu amo tanto a minha família, eles são muito presentes nas nossas vidas. Eu me sentia um marido, um pai de família feliz, apesar da doença da minha esposa eu sabia que tudo estava dando certo nas nossas vidas. De uns meses para cá algo me chamou a atenção, comecei a reparar que a minha filha vem se vestindo de forma diferente, com roupas de marca que são caras, relógios e outros acessórios que custam muito mais do que ela ganha.

   O que mais me chamou a atenção foi o i phone que ela trouxe para a nossa casa e quando eu comecei a questionar de onde estava vindo o dinheiro ela me disse que tinha tido um aumento, mesmo assim eu não engoli muito bem essa história e decidi prestar mais atenção na minha filha. O prédio que eu trabalho contratou um novo gerente, um rapaz de trinta e poucos anos e quando a minha filha veio até aqui me trazer o pedido de alguns exames da minha esposa, eles ficaram se olhando como se conhecessem e eu vi quando ela fez um sinal para ele ficar quieto.

   Eu fingi que não vi nada, nos dias seguintes eu chamei o gerente e disse que eu era um pai aflito que precisava saber o que a minha filha andava fazendo, ele se comoveu, me disse que ela é uma garota de programa e que tem muitos clientes. Soube também que ela nem trabalha mais de balconista, ela fica numa espécie de apartamento o dia inteiro esperando os clientes chamarem. Nesse dia eu passei mal, fui levado ao hospital, mas não foi nada demais, a minha pressão arterial aumentou muito devido ao que eu fiquei sabendo. Quando eu cheguei em casa fiquei esperando a minha filha e a minha vontade era de colocá-la para fora e dá uma surra nela.

    Mas eu me contive, nesse dia ela chegou trouxe várias coisas que a mãe estava precisando, comprou uma televisão de presente e colocou no nosso quarto para a mãe ficar mais confortável. Eu falei com a minha irmã e ela me pediu que não falasse nada, não estragasse aquele momento que a minha esposa estava tão feliz. Semanas se passaram e hoje eu sou um pai decepcionado, arrasados e me sinto um incompetente. Tenho vontade de largar a minha família e sumir no mundo.// eu escrevo essas linhas com o coração partido e sem saber o que fazer nesse momento de muita dificuldade que tenho vivido eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga“.

0 comentários