16/11/18 - 16:25

Palavra Amiga / Margô

Boa tarde heleno e família tupi.

  Tenho 36 anos, sou casada, tenho um filho de 10 anos de idade e trabalho como manicure. Meu marido tem 35 anos e é vendedor. Ainda muito criança eu perdi a minha mãe, naquela época o meu pai sofreu muito, eles se amavam e depois de quase quatro anos o meu pai se casou novamente e teve uma filha com a minha madrasta que hoje tem 29 anos, é solteira e mora com o pai. Há oito atrás o meu pai ficou novamente viúvo, eu já estava casada e moro numa casa dentro do mesmo terreno onde fica a casa do meu pai e presenciei ele sofrendo novamente. A minha irmã que era muito agarrada a mãe dela, não se conformava e quase entrou em depressão. Eu passava quase o dia inteiro na casa do meu pai tentando cuidar tanto da minha irmã quanto do meu pai e o meu filho era pequeno, não entendia o que estava acontecendo e foi difícil cuidar sozinha de tudo. Meu marido trabalhava o dia inteiro e me ajudava no que era possível, ele sabia do sofrimento que estávamos passando e muitas vezes ele levava o nosso filho para ficar alguns dias com a minha sogra.

    Os anos foram se passando e a vida aos poucos foi voltando ao normal. Minha irmã não trabalha e largou os estudos. Ela não sabe o que quer da vida, não consegue manter nenhum relacionamento amoroso por muito tempo e acha que nunca vai se casar. A minha sogra é uma pessoa muito bacana, ela tem 62 anos, é viúva e ela fez um churrasco em setembro para comemorar o aniversário dela e eu levei o meu pai para se distrair um pouco e percebi que entre ele e a minha sogra rolou um clima. Quando a minha irmã desconfiou fingiu estar passando mal e tirou o meu pai do churrasco. Meu pai começou a frequentar a casa da minha sogra e dizia que ia até lá fazer alguns consertos. Mas…,na verdade eles estavam namorando e quando a minha irmã soube disso ela não aceitou. Disse coisas horríveis para o meu pai e quando veio conversar comigo falando absurdos da minha sogra não prestou eu enfiei a mão na cara dela, a gente se pegou feio, saímos no tapa e o nosso pai passou mal.

   Ela proibiu a minha sogra de entrar na casa do meu pai e eu falei que a casa era da minha mãe que ela herdou dos pais e que se tem alguém que pode proibir uma pessoa de entrar lá sou eu e o meu pai. Sabendo que estou certa, ela ficou quieta, mas destrata muito a minha sogra, não na minha frente, mas eu sei das grosserias através do meu filho. Meu pai está com 67 anos e quer refazer mais uma vez a vida dele, a minha irmã cismou que não vai deixar e tem feito de tudo para atrapalhar a vida do meu pai e a minha também. Ela agora está tentando assediar o meu marido, pois, quando ele está de folga, ela fica tomando sol apenas com a parte de baixo do biquíni e não se incomoda em saber que o meu marido está em casa.

   Eu estou tentando evitar meter a mão na cara dela novamente por causa do meu pai que ainda está se recuperando. Semana passada o meu pai me chamou e pediu que eu concordasse que ele colocasse a casa que foi da minha mãe no nome da minha irmã. Ele me disse que se realmente se casar ele vai morar com a minha sogra e não queria deixar a filha sem uma garantia se algo acontecesse. Sinceramente, eu queria muito poder fazer a vontade do meu pai que é um homem maravilhoso e sempre foi um bom pai, mas eu não consigo dizer não para ele, só que no fundo eu não quero doar para a minha irmã que ultimamente tem se comportado de forma ridícula. O meu marido pensa diferente e acha que com essa atitude eu posso até colocar um ponto final nesse clima de briga. Pela minha vontade, o meu pai se casava, ia morar com a minha sogra, alugava a casa e mandava a filha dele ir procurar um rumo na vida dela, mas eu não quero chatear o meu pai e sem saber o que fazer nesse momento muito delicado, eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga.”

0 comentários