11/11/18 - 10:30

Palavra Amiga / Sandra

   Bom dia heleno e família tupi. Tenho 33 anos, sou casada, tenho dois filhos e trabalho como atendente em uma clínica médica. Meu marido tem 37 anos e é vigia noturno. O meu filho mais velho tem 14 anos e o meu filho mais novo tem 11 anos de idade. Quando eu me casei com o “Fernando” estava grávida, tanto a minha família quanto a dele tinham outros planos para o nosso futuro e ficaram muito decepcionados quando anunciamos que teríamos um filho. Meus pais queriam que eu continuasse com os estudos e fosse uma professora, já a família do “Fernando” queria que ele fosse morar em outro estado para trabalhar com um tio e disseram que eu armei o golpe da barriga para atrapalhar a vida do “Fernando”.

   Nós nos casamos apenas no cartório e os parentes do “Fernando” nem compareceram e devido a isso também, eu fiquei quase a minha gravidez toda afastada da família dele e só perto do meu filho nascer é que eles me procuraram, foram se chegando e pediram desculpas. Nós sempre moramos em cima da casa dos meus pais e quando o meu segundo filho nasceu eu comecei a procurar trabalho. O “Fernando” não gostava, por ele eu ficava em casa cuidando dos meninos, mas eu queria ter o meu próprio dinheiro e também existia a necessidade de ajudá-lo, pois o salário dele era pouco e com duas crianças mesmo sem pagar aluguel é muita despesa.

   Com o tempo o “Fernando” foi aceitando o fato de que era realmente necessário que eu trabalhasse fora, pois, foi através do meu salário que conseguíamos pagar todas as contas da casa e o que sobrava nós guardávamos para comprar um carro. Assim os anos foram se passando, nós levávamos uma vida comum e de uns dois meses para cá o “Fernando” foi começando a mudar e eu estou assistindo a tudo isso sem saber o que fazer. O “Fernando” por orientação da família dele resolveu seguir outra religião e desde de que ele se converteu a essa nova religião ele quer impor isso também dentro de casa e tem feito de tudo para que eu e os nossos filhos sigam o que ele acha ser o certo. Com esse comportamento o “Fernando” tem causado muitas brigas entre nós.

   Ele jogou fora as imagens de alguns santinhos que eu tinha desde criança e agora ele quer batizar os nossos filhos na religião dele e os meninos, apesar de ainda serem crianças não querem. O “Fernando” acha que eu estou influenciando os nossos filhos contra o que ele acha ser o correto, nada disso é verdade, eu jamais faria algo desse tipo. Eu não me importei dele seguir outra religião, o que me incomoda é ele e me obrigar a seguir um novo caminho que eu não quero. Eu sou feliz na minha religião que é a mesma dos meus pais e quando eu conheci o “Fernando” nós íamos juntos rezar dentro da nossa religião e agora ela não presta mais? Isso é motivo para ele jogar as minhas imagens no lixo? O “Fernando” ele praticamente me intimou um dia a ir com ele e na hora eu concordei e para depois ele não ficar dizendo que eu sou uma pessoa difícil.

   Fui conhecer a nova opção religiosa dele e sinceramente eu prefiro continuar na minha religião, pois é nela que eu me sinto bem e gosto. Diariamente estamos batendo boca e nesses 14 anos o “Fernando” que era um marido bacana, trabalhador, bom pai e um homem sensato. Agora se tornou um homem possessivo, chato e fanático pela nova religião. Ele trabalha à noite e precisa dormir de dia, o que não vem fazendo, ele chega do trabalho e vai para a religião dele e lá passa praticamente o dia todo e eu fiquei sabendo que o “Fernando” até já foi chamado a atenção porquê dormiu no trabalho. Eu conversei longamente com ele e disse que ele pode seguir tranquilamente a religião que ele quiser o que não aceito é que ele force eu e os meus filhos a deixar a nossa religião para seguir a dele.

   O “Fernando” encerra todas as nossas tentativas de conversar sobre esse assunto com berros e gritos que assustam os meus pais que moram na casa debaixo e os meus filhos que muitas vezes estão em casa e assistem esse absurdo que virou a nossa vida. Eu amo o meu marido e queria muito continuar casada com ele, pois temos muitos sonhos a realizar, mas…,o “Fernando” não está conseguindo enxergar que com esse comportamento ele está separando a nossa família e sem saber o que fazer, eu preciso de ajuda, preciso muito ouvir uma “Palavra Amiga”.

0 comentários